SODEXO CARTÕES
SAFRA PAY
FDC - FACULDADE
MUNDO

Evo Morales denuncia 'golpe' na Bolívia

Em meio a denúncias de fraude eleitoral, protestos e perda de apoio das Forças Armadas, presidente boliviano anunciou a renúncia neste domingo após quase 14 anos no poder

11/11/2019 09h53
Por: Silvan Magalhães
Fonte: O Globo
107
Evo Morales - Agência Lusa
Evo Morales - Agência Lusa

Após renúncia de Evo Morales, o presidente da Bolívia publicou, na noite de domingo, em rede social que um "oficial da polícia anunciou publicamente que tem instrução para executar um mandado de prisão ilegal" contra ele.  Segundo O Globo, Morales ainda denunciou que teve sua casa assaltada por 'grupos violentos'. "Os golpistas destroem o Estado de Direito", acrescentou na postagem publicada em sua conta do twitter.

Depois de três semanas de protestos da oposição que culminaram com motins policiais e a perda de apoio das Forças Armadas, Morales anunciou sua renúncia no fim da tarde deste domingo, após quase 14 anos no poder, em pronunciamento pela TV no qual afirmou ser vítima de um “golpe cívico-policial” e negou rumores de que fugiria do país.

Morales e seu vice Alvaro García Linera, que também renunciou, fizeram o pronunciamento da cidade de Chimoré, no departamento (estado) central de Cochabamba, berço político de presidente demissionário, onde chegaram no avião presidencial. Além deles, a presidente do Senado, Adriana Salvatierra, do MAS, terceira na linha de sucessão, também renunciou. Mais cedo, o presidente da Câmara, Victor Borda, do MAS, anunciara sua renúncia depois de ter sua casa incendiada por opositores. Com isso, configurou-se um vazio institucional.

A renúncia foi o desfecho dramático de um domingo que começou com outro pronunciamento de Morales, feito do hangar presidencial na base da Força Aérea em El Alto, cidade vizinha a La Paz, no qual ele propôs a convocação de novas eleições, depois que o resultado preliminar de uma auditoria feita pela Organização dos Estados Americanos (OEA) apontou irregularidades no pleito de 20 de outubro. Nesta votação, que motivou denúncias de fraude e os protestos opositores, Morales concorria a um quarto mandato que havia sido rejeitado em referendo em 2016 e foi declarado vencedor em primeiro turno pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE).

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias